Tuesday, December 03, 2013

O Tempo

Parece-me que o Tempo nunca se cansa
e está sempre à frente do acontecimento;
é um velocista que ensaia uma dança
e não vê o seu próprio movimento.

Discorre ondulações de brisa no ar
Descobre vibrações de raios de luar

No deserto a areia passa pelos cabelos
das memórias de todas as pessoas
que vagueiam dias e noites nas dunas

No campo a erva passeia pelas pernas
das visões de todos os animais
que perambulam manhãs e tarde nos montes

Na cidade o asfalto é pisado pelos pés
das histerias de todos os autómatos
que nervosamente se atropelam entre os prédios.

E em todos os cantos e todas as ruas e todas as paisagens
a vida toma forma e o Tempo não se apercebe.

Post a Comment