Tuesday, April 25, 2017

"Vinte e cincos de Abris"

Eternamente, o ser humano sempre esperará este dia
Vigilantemente, cada um com a vigilância da alegria,
o primordial dia da liberdade e da luta a que compelia,
porque diariamente pela amargura e censura sofria.

O jugo da ganância do homem em cima dos homens,
a ambição do poder e a sua cegueira cruel,
todo um desfile de vontades desumanas,
faz com que este dia nunca se cumpra
e o povo, geração após geração, continue a luta.

Houve aquela madrugada de raiar de luz sobre as trevas,
mas como uma ilusória e fantástica realização cinematográfica,
com o passar dos anos verificou-se ser os efeitos de fumaça
para encobrir o parto de milhares de pequenos tiranos.

Dos "vinte e cincos de Abris" rezará a perpétua História
como o dia em que sempre se recorda um ensaio de liberdade.


Sunday, April 16, 2017

As pessoas já não são pessoas, deixaram de existir, são apenas camisas Dior e calças Gucci, malas Louis Vuitton e sapatos Louboutin e, claro, casacos Chanel.

Thursday, April 13, 2017

- "Eu era completamente louco por ti. Tanto, que agora sou apenas louco."
[da série 'Tragicomédias da Humanidade']

Tuesday, April 11, 2017

Talvez quisesses um poema com um tema corriqueiro
Tu que andas ocupada com o trabalho
e de casa para o trabalho o dia inteiro
Mas não é isso que eu escrevo,
Eu escrevo num debate comigo mesma a perguntar-me,
volta e meia a acelerar-me com tantas questões
que surgem na vida e no mundo.

Exaustão da Palavra

Há a palavra dita e há a palavra cantada,
há a palavra escrita e há a palavra apagada, 
há a palavra lida e há a palavra sussurrada,
há a palavra contida e há a palavra pintada,
há a palavra silenciada e há a palavra gritada,
há a palavra pensada e há a palavra clamada,
há a palavra omitida e há a palavra codificada,
há a palavra emitida e há a palavra enviada,
há a palavra relida e há a palavra ditada
há a palavra repetida e há a palavra esgotada.
"Rugas são como divãs" onde te esparramas depois de uma vida inteira sempre em pé. :D 
Na verdade, somos milhares, não nascemos um só ser. Somos todas as vezes que o coração se partiu e todas as vezes que ele sorriu; somos todas as vezes que renascemos e todas as vezes que a vida reescrevemos. 
E o tempo implacável faz-nos descobrir, como pintores, cada vez mais sobre a sombra e as luzes e como utilizá-las. E, se como dizem, "nascemos, depois morremos e pelo meio temos de nos distrair para não pensar nisso", eu não tenho brilhado em não pensar nesse facto inevitável.

Do tempo da música.

Ao contrário do que se diz, a música não tem uma época. A boa música dura para sempre; é intemporal; é como a boa comida que quando é boa, passam-se os anos e ela continua boa.
Daí o generation gap em termos culturais ser uma ilusão, porque aquilo que é bom é suposto durar e atravessar gerações...

Vida

Da vida possível contam-se duas datas.
Da vida impossível também. 

Wednesday, April 05, 2017

Perder palavras.

Como num sussurro se vão escapando
as palavras da minha mente
e já não sei se vou lembrando
o que o coração tanto sente

No cérebro, no corpo, na dita alma
que é cada vez mais inexistente
começa a língua a perder a calma
e o ânimo decresce descontente

Nada nem ninguém é obrigado a dizer
o que já não se lembra não mente
e o que recorda fá-lo sofrer

De noite e de dia tudo diminui
qualquer ritmo frenético que entre
enluto-me pelas palavras e tudo rui.

Wednesday, March 29, 2017

Ela não sou eu.

Ela acordou na minha cama
enquanto o mundo inteiro dormia
e eu sei que não era um sonho
porque belisquei-a e ouvi-a gritar.

Não sei o que é que ela estava lá a fazer,
por que raio apareceu lá estendida
como se estivesse deitada na sua cama
e aqueles fossem os seus lençóis e almofada.

Perguntei-lhe o nome e ela não soube responder,
enquanto esfregava os olhos meio ensonada
com os cabelos despenteados a tapar-lhe a cara
também eu não lhe via o rosto o suficiente.

Quando ela finalmente afastou os cabelos da cara
pude ver que ela era igual a mim tal e qual
como se tivessem feito uma cópia de mim
e depositado na minha própria cama.

Sunday, March 26, 2017

As pessoas fazem com que aos poucos tenhamos que matar pequenos pedaços de nós, que alvejamos com balas de pressão de ar, que fazem buracos, passado algum tempo cicatrizam, ficando só buraquinhos que se parecem com os de ratinhos que comem queijo, como memórias do cérebro. 

Mas, como alguém disse, nunca houve alguém que fosse mau e se transformasse em bom e por isso também uma pessoa boa não conseguirá transformar-se em má.


Na palidez do Homem (Jogo)

Os homens pálidos são sensíveis,
têm os sentimentos à flor da pele

Os homens morenos são insensíveis,
são os machos latinos, mais racionais

As mulheres pálidas são mais insensíveis,
fazem os seus jogos egoístas

As mulheres morenas são sensíveis,
são as mulheres quentes no coração
A vida é um ensaio de tudo o que não chegou a acontecer.

A vida vivida no caminho da sombra da morte.

Efemérides e Epitáfios

Hoje é dia de festa, cantam-se os teus anos, uma salva de palmas, blábláblá, ...

(a todos os que já partiram e às pessoas que se lembram dos seus anos)

Fundamentalismo à parte...

Triste de quem, fundamentalista, só vê o preto e o branco, pois perde a beleza de cada única cor do espectro de luz. 
Sanitas de ácaros nos olhos e todas as mucosas são florestas tropicais do corpo, onde ecossistemas de microrganismos proliferam...

Classificação de Pessoas como Doces (Estudo)

Pessoas-M&M = Medíocres & Mesquinhas

Pessoas-Bola-de-Berlim : Pessoas com uma barriguinha proeminente, que até parecem alemãs :D

Pessoas-Pastel-de-Nata : Pessoas que até parecem simples, mas que andam sempre com cara de quem lhes cheira a queimado

Pessoas-Marshmellows : Pessoas fofinhas por dentro e por fora

Pessoas-Caramelo : Pessoas que não desgrudam, de tão doces, de tão peganhentas

Pessoas-Pintarolas : Pessoas que se vestem de forma muito garrida

Pessoas-Pudim : Pessoas que são muito moles por dentro

Pessoas-Torrão-de-Alicante : Pessoas que são muito duras, ossos duros de roer

Pessoas-Gelatina : Pessoas que tremem, tremem, mas nunca desabam

Pessoas-Bombocas : Pessoas que são rijas por fora e moles por dentro

Pessoas-Gelado : Pessoas que não passam cartão a ninguém, mas quando se deixam tocar derretem

Pessoas-Sugus : Pessoas que se deixam sugar até não haver mais nada

Pessoas-Gomas : Pessoas muito doces, que até dão dores de dentes

Pessoas-Pastilha-Elástica : Pessoas muito flexíveis, que se esticam, esticam e voltam à mesma forma

Thursday, March 23, 2017

O coração é uma framboesa que por ser agregada e uma pseudobaga, congrega toda a gente em compartimentos meio ocos.


Tuesday, March 21, 2017

Todos os poemas perdidos nas insónias.

Volta e meia
Escapam-se poemas
Nas madrugadas azuis.
Até hoje e na vida inteira
Escapam-se centenas
e acho que deve haver um lugar muito espectacular,
onde todos eles se encontram
e convivem na mais delirante festa.
A terra dos poemas perdidos
que se chegaram a encontrar
porque se juntaram a mais como eles,
Que terra feliz, cheia de diversidade
e sons e palavras e desejos e rumos,
todos tão díspares, todos tão incrivelmente geniais.
Eu tenho pena de não poder viajar até lá.

Wednesday, March 15, 2017

"Nem só de Facebook viverá o Homem"...

[in 'frases bíblicas da era digital' :D]

Saturday, February 25, 2017

Lisboa é um amor de verdade,
não nos mente, não nos desilude
É a mais bela das meninas-mulheres
Com os seus cabelos estendidos ao luar
ondulando no rio
Os pontilhados de laranja-tijolo do seu vestido
e a sua maquilhagem garrida na noite,
pelas ruas mais estreitas
cheias de sedução,
Lisboa-independente, lisboa-adulta, lisboa-vivida e ainda e sempre a criança que brinca à beira-rio.
Ter muito rock and roll por dentro, mas viver numa era pós-rock, dá um festival de música complexo.

Wednesday, February 22, 2017

A estranha sensação

Como se chama quando falas e o que dizes não te impacta absolutamente nada? Que fenómeno é este? As palavras saem corridas e até fortes da boca como sempre, mas agora já nada querem dizer porque não as sentes, nem sequer uma letra, uma nota, um gotejar da alma, nada, absolutamente nada. 
Esta sensação de não haver sensação e que é diferente de tudo o que já sentiste ou experienciaste, pois não lhe encontras qualquer ponte com anedonia, apatia, indiferença, nada. No entanto sabes que não é mentira o que dizes, mas simplesmente não o sentes e parece que estás a mentir ao dizê-lo. Não é também um desconvencimento ou falta de vontade para o dizer, mas antes um sentir que não valia de nada dizê-lo. 
Estranho. Muito estranho. 
Quando há algo de novo é porque algo mudou, mas tão subrepticiamente terá sido que não se apercebera? E só agora assim se revela? Talvez. 

Monday, January 16, 2017

Frase do dia (que infelizmente serve para muitos dias): Está tudo mal, mas já esteve pior e ainda pode ficar muito pior 😀 é o que me safa.