Monday, December 22, 2014

O cúmulo do saudosismo: ter saudades de um amor que foi sempre platónico.

Todas as páginas e todos os livros.

Às vezes vem à superfície a sensação de que todos os capítulos das vidas de todas as pessoas já foram encerrados há muito e ninguém se apercebeu.
Todas as páginas completas por histórias que se repetem ao longo dos tempos.

Sunday, November 23, 2014

Eu e tu somos um rectângulo neste mundo de circularidade e em nós só o infinito tem medida.

Friday, November 21, 2014

Fazer política e politiquice é só para quem não tem essência, pois quem a tem emana-a.

Saturday, November 15, 2014

Uma parda miragem no final

Saboreio a melancolia da tua voz, gota a gota como a primeira chuva outonal que desliza sobre as folhas que ainda amarelecerão mais e cairão ao chão. Sabes-me ao passado que é tudo o que existe e que perdura sempre.
Abraço-te agora com um fim de tarde que anoitece cedo e sei que nunca foste propriedade minha e que eu nunca quis ter-te. Possuir-te sim, foi possível enquanto me dizias amar para sempre, mas hoje já não, hoje estás nos braços de outra pessoa e mais outra e mais outra... "à terceira é de vez?". Nunca é. Nunca nada é. Porque a imaginação nos leva sempre mais longe e vivemos a cada dia com aspirações que só são magnéticas quando estão ao alcance da mão.

Falas-me sobre ditos de sabedoria popular, sobre a vida que é uma viagem e tudo o que já ouvi tantas vezes... palavras cansadas do mundo inteiro, ou sou só eu que com o passar dos anos deixei esses sonhos de meninice de viajar pelo mundo, também à semelhança dos de salvar o mundo, e tudo por me ter apercebido que nada disso vale a pena, nada na viagem vale a pena se não estivermos bem connosco mesmos. Podemos viajar quilómetros e na bagagem levaremos os mesmos fantasmas que insistirão em aflorar quando menos esperarmos. E depois vi isso nos outros, tantos que partiram pelo mundo e meio repartidos como já eram, mas que nunca ficaram completos.

De que serve o mundo inteiro e mais algum pedaço do universo, se tudo o que precisamos está dentro de nós? O amor íntegro e maior, a paz que ele alcança e emana. Quase ninguém sabe o que isso é, embora nestes tempos até já haja universidades muito especiais que o leccionam. Sim, a viagem é o que importa, mas não a externa, pois a viagem mais enriquecedora está sempre dentro de nós.

Tuesday, October 28, 2014

Ser saudosista é ser asmático e ir buscar ar ao passado.

Monday, October 27, 2014

O princípio para uma cura


O princípio é simples e lógico, e a quem lê isto provavelmente fará todo o sentido:


- mais de 80% ou que é da nossa imunidade está no intestino, ora se temos uma doença auto-imune é porque principalmente o intestino está em degeneração e temos de o curar tornando o organismo alcalino e regenerando o intestino.

Os rins estão também muito envolvidos por exemplo na tormenta da Fibromialgia, pois são o filtro onde estão todas as toxinas acumuladas e retidas.

Alcalinizar e desintoxicar e regenerar se for apenas com nutrição (removendo alimentos que causam alergias e intolerância, e de difícil digestão) e depois uma boa dose de vit. C e consegue-se grandes melhorias.

Thursday, October 16, 2014

A idade que nunca tive

Não quero acreditar que cada um tem a idade do seu coração, ou mesmo da sua mente.
Mas em muitos casos sei que é assim.
Não, a idade não está escrita no corpo como se fossem as medidas de um produto que podemos comprar. Não são as linhas de expressão e as rugas mais vincadas que ditam há quanto tempo estamos vivos.

Quero acreditar que não tens idade, que és para sempre, eterno enquanto dures.

Thursday, October 02, 2014

"A vida é um moinho que tritura os sonhos, mesquinho..."

às vezes torna-se tudo uma amálgama
e nessas vezes a confusão torna-se em explosão
porque a mente não aguenta tanta contradição:
é a liberdade que é boa ou a prisão que se quer;
é a independência que ressoa ou ser apenas mulher?

dizem: "Mal começaste a conhecer a vida
Já anuncias a hora de partida
Sem saber mesmo o rumo que irás tomar"
um dia a certeza é mais certeira que todas as outras,
outro dia é outra que é mais certa
e mesmo assim nem uma nem outra poderão ser a mais acertada.

Tuesday, September 16, 2014

As memórias percorrem-me o corpo da mente até aos dedos e sobressaem como o relevo das digitais.
O vento sopra pelo meu cabelo, mergulho no mar, e torno-me parte de tudo.

Thursday, August 14, 2014

Da Depressão

Dizem que para nos mantermos vivos é preciso estar sempre com uma ocupação, estabelecer objectivos e ter algo a que aspirar (sonhar).

Ao sermos humanos temos consciência da própria morte e embora a maioria não a tenha sempre presente existem muitas vezes em que somos lembrados da sua inevitabilidade. Existem, porém, outras pessoas (menos) que têm sempre noção da morte, ou porque a sentem em si mesmos, ou porque vêem-na no dia-a-dia, ou porque pensam em morrer, ou apenas porque têm sempre presente que ela vai chegar a qualquer momento.

Nestas sociedades modernas, são poucas as pessoas que almejam solidão. Todos têm sede de contacto e uma maioria destes, hoje, consegue-o através das tecnologias de comunicação, criando múltiplas relações virtuais, mas que as fazem sentirem-se mais e mais isolados. É para isso que caminhamos há algum tempo: o isolamento e consequente depressão.

Pensar que as profissões do futuro estarão mormente ligadas a isto é uma possibilidade: haverá mais necessidade de apoio psicológico e psiquiátrico, e de nutricionistas focados para uma alimentação "mais feliz" e afins, tal como um boom dessa espécie estranha que são os designados "life coachs".

No tempo de Kurt Cobain não se sabia a depressão como doença, não se sabia que ela existia por causa, entre outros, das alterações/desequilíbrios químicos decorrentes no organismo e que é uma doença tratável e mesmo curável.
Agora que Robin Williams - actor e comediante excelso - faleceu por causa dos seus problemas de lidar com uma depressão e desequilíbrios químicos no organismo há mais de 30 anos, pode ser que as pessoas entendam que a depressão é de facto uma doença como tantas outras, com consequências não só mentais mas físicas. Pode ser que as pessoas percebam que mesmo o melhor dos humoristas, as pessoas mais alegres e animadas, têm crises profundas de depressão, não porque querem e "é da cabeça delas", mas apenas por causa de processos que ocorrem a nível interno quimicamente que não conseguem controlar, à semelhança de uma constipação ou outra doença qualquer.
Penso que Robin Williams ficaria extremamente contente por saber que a sua morte contribuiu para que as pessoas finalmente tivessem noção e acordassem para esta epidemia moderna, silenciosa, que qualquer um pode ter a dada altura na vida, que é a depressão.

Monday, August 11, 2014

Há pessoas que não morrem, nunca, pois são demasiado magnânimas e as suas existências prolongam-se na vida de outras pessoas, por tudo o que elas deram. 

Thursday, July 24, 2014

Golpes desta guerra de vida

Golpes e mais golpes,
golpeado pela vida inteira
uma e outra vez, sem descanso...

Primeiramente, ainda no ventre,
o terramoto da queda e tudo sangue
e tudo negro e a seguir
 foi o punhal que rasgou o ventre
e eu de um roxeado mas vivo.

Depois, ainda na pré-adolescência,
aperceber-me pela primeira vez
do quanto tudo é horrível e vão
e todos os golpes que sofrera na pele,
só até então, tal como tudo,
derradeiramente não fazerem qualquer sentido.

Posteriormente a terrível consumação de tudo ser muito tudo.
Os golpes que nos ferem como bicadas de abutres
e outros necrófagos..., morrer e continuar a ser golpeado.
Vivendo como irmãos de Sísifo e Prometeu,
com facas a rasgarem a veias dos braços
e a apunhalarem-nos o corpo repetidamente
nos sítios em que as feridas nunca chegam a fechar completamente,
onde já foi arrancado o órgão e continua o seu fantasma.

Os rostos dos agressores fundem-se e toda a dor é una
e toda a dilaceração jorra sangue ininterruptamente.

É o bebé que morreu mas continuou vivo,
é a criança que foi violada mas enquanto cresce sorri,
é o adulto que sempre foi órfão e sempre será,
é o idoso que nunca importa e nunca importará:
milhares de vidas e mundos sempre destruídos,
golpe atrás de golpe com pequenas pausas
para regenerar apenas o suficiente para haver de novo terreno para bombardear.


Wednesday, July 16, 2014

O Tempo é um desperdício de vida.

O Tempo é um desperdício de vida. Já que a Vida em si não vale nada. Todos os dias morrem crianças. Todos os dias são torturadas pessoas. Todos os dias há pessoas a serem escravizadas. Todos os dias existem os gritos de dor silenciados de tantas e tantas pessoas. Todos os dias assistimos, incapazes de fazer o que seja, às injustiças grotescas que causam tanto sofrimento a tanta gente.

O Universo criou muito mais beldade do que nós. Nós, sendo conscientes e poderosos com a nossa capacidade de decisão, apenas criámos mais fealdade do que beleza neste mundo que habitamos e destruímos impunemente. E em todos os espaços que estivéssemos havíamos de proceder à mesma destruição, porque somos demasiado imperfeitos, demasiado poluídos ou apenas com uma evolução demasiado atrofiada.



Friday, July 11, 2014

Uma sauna é uma estufa para pessoas, onde elas desabrocham e murcham como as flores.

in Almograve

Thursday, June 26, 2014

Não sei se é longa a viagem, pois tudo se torna relativo quando comparado
e nada parece existir por si só, mas sinto com certeza
que tenho mais chão nos ombros do que debaixo dos pés
e que carrego mais poeira nos olhos do que nos ombros.

E nas minhas mãos tantas silhuetas, e nas suas palmas tantas cinzas de tantos corpos...

A vida é um sopro, perene, e todavia tem a intensidade do que arde
e se esfumaça, deixando às vezes microscópicas partículas para trás.

Custou a entender e talvez não tenha agarrado todo o significado
do que vi e vivi agora em poucos minutos que duraram muito mais do que isso
- perceber que o amor é apenas um sonho cinematográfico, mas de facto o mais doce a se ter.

Friday, June 13, 2014

Do apocalipse da humanização

É deplorável...
Pensar que agora as pessoas têm de competir com objectos e afins (smartphones, jogos, redes sociais, etc.) só para ter a atenção das pessoas. Não se passa de bestas zombificadas. Depois têm a lata de dizerem que estão muito ocupadas, quando precisamente dispondo de telemóvel bastam menos de 15 segundos para dar um toque, dar sinal de vida, a outra pessoa.
Há 15 anos atrás a maioria das pessoas não tinha telemóvel e eram todas mais humanas que isso nas suas (então verdadeiras) relações interpessoais.

Thursday, May 22, 2014

Todas as palavras têm um peso; é pena que todas as pessoas pensem que é um peso-pluma. 
O meu copo nunca está suficientemente cheio,
é algo impossível.
E olho para as tuas omoplatas onde um dia tiveste asas
e penso que nunca mais voaremos.

Saturday, May 17, 2014

Pior do que não estar na mesma geografia, é não estar na mesma geografia do pensamento.

Wednesday, May 07, 2014

cada um com os seus gatilhos,
cada um com seus escafandros,

como se a vida não passasse de uma corda bamba que oscila

ora para explodir, ora para se respirar.

Friday, May 02, 2014

Irene, por Rodrigo Amarante

Saudade, eu te matei de fome E tarde, eu te enterrei com a mágoa Se hoje eu já não sei teu nome Teu rosto nunca me deu trégua
Milagre seria não ver No amor, essa flor perene Que brota na lua negra Que seca, mas nunca morre
Verdade, eu te cerquei de longe E tarde, eu encostei no medo Se ontem eu cantei teu nome O eco já não morre cedo
Milagre seria não ter O amor, essa rima breve Que o brilho da lua cheia Acorda de um sono leve
Irene
Irene ri

Wednesday, April 23, 2014

Intelectualidade e Moralidade São Incompatíveis, Fernando Pessoa (Barão de Teive), in "A Educação do Estóico"

Intelectualidade e Moralidade São IncompatíveisNão há maior tragédia do que a igual intensidade, na mesma alma ou no mesmo homem, do sentimento intelectual e do sentimento moral. Para que um homem possa ser distintivamente e absolutamente moral, tem que ser um pouco estúpido. Para que um homem possa ser absolutamente intelectual, tem que ser um pouco imoral. Não sei que jogo ou ironia das coisas condena o homem à impossibilidade desta dualidade em grande. Por meu mal, ela dá-se em mim. Assim, por ter duas virtudes, nunca pude fazer nada de mim. Não foi o excesso de uma qualidade, mas o excesso de duas, que me matou para a vida. 

Fernando Pessoa (Barão de Teive), in "A Educação do Estóico"

Friday, April 11, 2014

O cúmulo da seriedade: ser-se sério e ainda também levar-se a sério!

Sunday, March 30, 2014

Juras de demora

Dizes que me vês no interior das tuas pálpebras,
pois eu falo contigo no interior dos meus lábios
e quando fecho as pálpebras vejo-te despido de nudez,
tão intransponível e coberto de véus de luz que me cega
e me deixa certa da divindade do teu ser.

Fazes-me juras de demora, pois é impossível passarmos
por tudo o que está selado nas nuvens de um reino invisível.
A minha voz vibra pelos raios de luz que emanas
e lembro que necessitas dos meus ouvidos para escutar
e do meu coração para sentir e eles sempre foram teus,
dia após dia por todos os dias das nossas vidas.

Preciso dos teus braços para sufocarem o desejo dos teus
e necessito da tua mente para cercear os meus maus pensamentos.


Friday, March 21, 2014

A amargura é apenas um dos temperos da vida e não se deve abusar de nenhum, pois como já se diz: o segredo para uma vida bem passada é uma dieta equilibrada.

Tuesday, March 04, 2014

O sopro do amor renovado.

Amei-te com a força das preces de um negro que grita pela liberdade, enquanto está a ser açoitado pelos brancos-sujos de uma parda irmandade.

Vasculhas-me a mente com os dedos grossos da memória, dedilhando cada momento como quem procura num armário de ficheiros secretos empoeirados arquivados há milénios. Também recorres ao uso de luvas como quando se mexe em documentos antigos, mas as tuas luvas são feitas de um misto de hesitação e receio do que podes encontrar.

Não te esqueças que estavas lá comigo no princípio de tudo e também depois quando vieram as areias movediças do tempo abalar-nos o chão que pensámos termos firme debaixo dos pés. Não te esqueças que estavas lá, no fim de tudo, quando veio o redemoinho que nos evaporou pelo universo como pó estelar.

Assim é o nosso amor, espalhado aos quatro ventos, ganhada uma vida ainda maior, varrendo a Terra e cavalgando as ondas do mar. Pois nós dois somos um só conjunto de partículas esvoaçantes e o nosso amor semeia-se em todas as flores e fecunda todos os campos que a vista consegue alcançar. Floresce de novo, com mais vigor, esse coração que é uno tal qual a chuva e a terra quando sobrevivem à tempestade.

Saturday, March 01, 2014

Arte

A Arte anuncia e denuncia
e é confissão e expiação
e não é tanta a parte que nos retrata
quanto a parte que nos maltrata
e muitas vezes nos tira a Razão.

A Arte é como amar-te
tem palavras e imagens
tem segredos e viagens

A Arte tem a sua própria paisagem
e o seu próprio pulsar no coração.


Tuesday, February 25, 2014

Esburacados

A vida é mesmo assim
triste e miserável
arranca-nos tudo
pouco a pouco
como um louco
que arranca os próprios cabelos.

As pessoas tumultuadas
pelos sulcos dos percalços
enlouquecem surdinamente
até que explodem estilhaços
das suas psiques
alevejando quem está por perto.

Saturday, February 15, 2014

Onde estão as árvores?

As viagens já não são as mesmas
e as paisagens já não são lesmas
que se arrastam pelo meu olhar
lânguidas para eu as saborear.

Incrivelmente já não há árvores
a encher-me a vista de ar puro
apenas selvas com mármores
que se erguem num cenário duro.

São erecções de betão armado
que destruíram toda a natureza
numa reprodução sem delicadeza
tornando tudo desfigurado.

Sunday, February 09, 2014

... e nem toda a chuva e vento do Mundo chegarão para limpar os canalhas imundos da face da Terra.

Friday, February 07, 2014

Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Fartei-me de poemas sobre nada e de gestos vazios de mãos cansadas e de mentes aborrecidas e aguadas.

A amargura é apenas um dos temperos da vida do qual não se deve abusar. Tal como se diz que o segredo para uma vida bem passada é uma dieta equilibrada...

Pois não quero mais esse nada que é o equilíbrio de uma linha recta que emite o ruído monótono da morte. Não quero mais essa mediania, esse passar bem e suposto bem-estar que não são nada, que não têm pulsar.

Chegam as cores que não o são, o preto, o branco e o mortiço cinza; eu quero é vermelho no sangue e no coração!


Monday, February 03, 2014

Todos os dias vejo-te em todas as coisas de tantos tamanhos.
Penso em poder sonhar-te a sorrires e cuido do teu coração com carinho.
O Tempo totaliza o nosso namoro de séculos sozinhos e ósculos oscilam nas largas linhas do pensamento em par. Correspondemo-nos cautelosamente nuns chamados, cheios de sentimentos sincronizados e amamo-nos até um amanhecer de novo nos alcançar abraçados.
"O importante não é estar junto, mas sim dentro"... e nós estamos mais por dentro um do outro do que uma sonda de endoscopia! :D

Saturday, February 01, 2014

O relógio apenas marca a hora quando se é a vítima, quando se é quem foi deixado para trás. 

Wednesday, January 29, 2014

Helena (Len Inha)

Ela protege-se do desamor vestindo cores garridas... e baila ao sabor das marés e do vento, com a lua como acompanhante de dança sempre a brilhar no palco-chão de relva.

Helena não tem necessidade de ser deusa nem adorada ou ser solicitada por todos, mas ela é, porque ela irradia como o sol uma honestidade e autenticidade inatas, raras qualidades humanas.

Os anos passam, mas Helena não se detém na poeira do tempo e de raízes fortes ela permanece florescida e florescente.


Sunday, January 26, 2014

Para quem está longe mas nunca está.

Quando se ama verdadeiramente,
por mais que a outra pessoa esteja do outro lado do Mundo,
ela está sempre colada à tua pele
e sentes o seu respirar mais intimamente
do que a brisa que te sopra gentilmente no rosto.

Ela é o invólucro do teu coração;
contém-nos e fá-lo existir.

Sem título

Nunca o vira com tamanhos olhos de ver. Talvez eu tenha chegado à idade e um certo acumular de experiência, que me permitiram enxergar como as coisas eram além do visível, do imediato, do que todos os outros em redor, em ambiente de festa, viam.

Ele pegou na bebé, como tinha pegado em tantos outros e fez as mesmas brincadeiras de sempre que resultavam em gargalhadas sonoras das crianças e em espanto de quem via como ele tinha tanto jeito com elas. No entanto, desta vez percebi que ao pegá-la e ao brincar com ela ele tentava à força afastar todas as coisas más que lhe tinham acontecido, esperava - com a esperança de quem está há muito no deserto e precisa de encontrar água - que todas as memórias das suas dores e das suas mágoas se dissolvessem com a força do riso.

Eu, por outro lado, nunca consegui não ver que os bebés vêm para um mundo pejado de intolerância e massacre e que ninguém escapa ao sofrimento, e por isso olhava-os com a pena devida e merecida que lhes pertencia por serem, então, inocentes.

Quando se tem noção dos absurdos que existem ao longo da vida das pessoas entende-se que não havendo qualquer sentido para todos esses aspectos não há grande coisa que se possa fazer. O próprio acto de se pegar num bebé torna-se indiferente para a engrenagem das coisas e não há que haver mais tristezas ou alegrias, pois ora tudo é, ora tudo não é e nós vivemos no meio disso sem haver norte possível.

Wednesday, January 15, 2014

A redundância do final do tempo

A vontade azul que ninguém consegue mover
cristalizou-se em cume de glaciar
que ninguém consegue alcançar.

A vida de todos eles, envelhecidos,
materializou-se em sonhos perdidos
e deixou-se ficar em tempos idos
a que não mais se pode regressar.

Desejam-se promessas, esperanças, gargalhadas,
ao invés das lembranças desgarradas,
remorsos e arrependimentos
do que também não há-de mais chegar.

A vida já é breve
e o bater cansado do coração
anuncia-se leve
pronto para largar a mão.

Sunday, January 12, 2014

Quando aqui não estás, de Al Berto

Quando aqui não estás 
o que nos rodeou põe-se a morrer 
a janela que abre para o mar 
continua fechada só nos sonhos 
me ergo 
abro-a 
deixo a frescura e a força da manhã 
escorrem pelos dedos prisioneiros 
da tristeza 
acordo 
para a cegante claridade das ondas 
um rosto desenvolve-se nítido 
além 
rasando o sal da imensa ausência 
uma voz
quero morrer
com uma overdose de beleza
e num sussurro o corpo apaziguado
perscruta esse coração
esse
solitário caçador

Friday, January 10, 2014

Estás bêbado quando em vez de passares na prova do balão passas na prova de esclerótica múltipla: vês a dobrar, aos ziguezagues, em forma de túnel e tudo a andar à roda. 

Thursday, January 09, 2014

Saudade é um coração coxo,
cujo rosto não consegue mais sorrir.

E Liberdade é peso morto,
que já ninguém carrega.

E Solidão é corpo sem mosto,
que se enterra no chão.

Tuesday, January 07, 2014

Da persistente presença da impossível Saudade

Quando se tem saudade de alguém,
essa pessoa está sempre presente na distância:
ela é adorada erva-daninha no pensamento
e uma lapa impossível de descolar do coração.

Os nossos braços nunca esfriam completamente
e o nosso peito, apesar de esburacado,
está sempre morno,
do misto que é perder e reter ao mesmo tempo.

E, como que em banho-maria,
assim se mantém o nosso sentimento cálido,
que nunca permitimos que ferva para não derramar
nem tanto apagamos o lume para ele não esfriar.

Porque é que as pessoas são tão voyeuristas?

Será que é porque as suas vidas são completamente chatas e por isso agarram-se às vidas dos outros como espectadores de telenovelas, como tantas vezes se supõe? Ou, por outro lado, as suas vidas são tão más que fazem das vidas dos outros um escape, talvez numa sede de exaltação e do espectáculo de entretenimento?

Era de se pensar que por observação aprendessem algo, mas também não me parece que fiquem atentas às vidas alheias com esse objectivo e nem sequer retirando esse benefício.

Quero pensar que, por mais que o ser humano tenha a sua natureza pérfida, não fique a vigiar a vida do vizinho apenas para se regozijar com as eventuais desgraças para se compensar pensando que a "erva no jardim do vizinho" já não é tão verde quanto a sua. Embora, de facto, veja e oiça constantemente as pessoas reagirem perante a desgraça alheia imediatamente com uma comparação do género "já viste, ao menos nós estamos melhor" ou "antes eles do que nós" - esta última irrita-me particularmente. (E é provável que começarei a dizê-la, caso tenha oportunidade, quando me vierem "fofocar" boas notícias de outros. "Não-sei-quem ganhou o Euromilhões!" e eu direi: "Antes eles do que nós!", a ver como é a reacção obtida. Na verdade sempre que me vinham contar algo bom ou normal sobre alguém sempre dizia "olha, parabéns para eles", de modo que não será muito diferente.)

No caso das "vidas boas" que por exemplo muitas celebridades espelham na Imprensa e as pessoas consomem avidamente, devo ainda questionar: além da inveja, ou dos que ainda mais criticam, será apenas o pobre "zé povinho" a perpetuar aquilo que já era prática nas monarquias da Idade Média de acompanhar ao máximo as "cortes reais" para as imitar no que podem, aspirando (sonhando claro) a uma elevação social e a uma melhoria de vida? E até que ponto isso funciona como motivação para que essa dita camada de posses reduzidas tente - por que meios, depois se verá - alcançar um status superior?

É claro que também os há doutrinadores, sejam católicos ou não, têm a mania que podem intervir toda a hora, assim que testemunham algum acontecimento na vida de outrem, para despejar pérolas de sabedoria em cima de quem não as pediu, muitas vezes apenas porque já estão habituados a fazê-lo pois tanta é a frequência com que o fazem e sempre pensam que estão a ajudar (não vá, como bónus, isso resultar num lugarzinho no céu, ou ainda antes numa redenção terrena).

Seja por causa de presunção, inveja, aborrecimento, tentativa de se integrar (tal é a prioridade do sentimento de pertença que o ser humano estabelece, de que Maslow falava), curiosidade ou simplesmente pura estupidez não tenho qualquer apetência para o que quer que seja que esteja relacionado com a vida alheia e é apenas mais uma daquelas coisas - tal como muitas no ser humano societal - que não me faz sentido algum.

Monday, January 06, 2014

Juventude perdida

Ela faz-me lembrar de mim quando miúda.
Imagino que todas nós, então, sejamos assim: paixões platónicas, pensamentos e sentimentos radicais e extremas emoções.

O conforto e a doçura de uma maçã cozida, uma papa ou uma canja de arroz, a lembrar a infância delicada. Para não falar dos longos cabelos e roupas largas quentes, para nos darem um abraço sempre que está frio...

Mas há coisas que nunca mudam. A madrugada e o luar, o pôr-do-sol e a praia. Às vezes não sei se destruo o que está no meio de propósito, para assegurar que o fim é o melhor já que o princípio teve uns  seus raros momentos leves.

O tempo o dirá, como sempre, só ele tem essa eloquência.





Saturday, January 04, 2014

Naquela tarde em Foshan

Funestos festivais de cores
que os amores vêem na melancolia do céu
quando caem as flores de cerejeiras
com as suas pétalas alvas
brilhando através do breu.

Atravessam as nuvens raios de nostalgia
que mortiços se vão deitar na terra,
entregues às suas últimas moradas
e as memórias desconsoladas
vivem nas folhas do vento lento
que move as montanhas do nosso pensamento.


Wednesday, January 01, 2014

Os Conscientes

Bem-aventurados e condenados são os que têm a consciência de não fazer sofrer pois sabem e já viram demasiado sofrimento na Terra...

Esta faca de dois gumes, ter consciência da realidade que é tão horrenda e ao mesmo tempo ter de continuar a viver, tornou-se numa impossibilidade tal que fomenta um turbilhão constante de dificuldades existenciais.

Como é que se vê, ou se tem consciência, das atrocidades que o Homem comete contra a sua própria espécie e contra as outras, contra as suas próprias crianças e se continua? As guerras, as mutilações, explorações, assédios e violações... como é que se continua depois de se ter consciência, depois de se ter gravado no olhar e na mente e no coração e na alma toda a podridão que nos rodeia e sabendo que o que quer que se faça de bom e belo nunca é um milésimo do que de mal se faz a todo o segundo no Mundo?