Wednesday, December 10, 2008

05-12-08 "Atropelamento e fuga"

Soterro-me nos lençóis deprimidos, como se fosse uma vítima de atropelamento e fuga, envolta em ligaduras de textura pouco nobre e relegada para o cheiro morto de mim mesma.

Sou agora um homem inexistente, preso a um momento que dura apenas alguns segundos e, ainda, suspenso no acidente vidiário.
E isso mesmo, não é o acidente rodoviário, mas sim o da vida, que é diário. E nos deixa eternamente pisados, quebrantados, sovados, todos os dias, numa luta corporal intensa.

Estirado, tudo à volta é demasiado branco, asséptico, lembrando-me a imundície que sou e a luz parda das ruas por onde andei.

Deixo de escutar o som que, em compasso binário, parecia uma agulha a espicaçar o meu coração.
Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii___________________________________ 

03-12-08

A pera que se desfaz na minha lingua como graos de areia nos teus dedos e a fruta do desenho ondulante das tuas maos.

Ris-te e o som das tuas gargalhadas reverberam nas paredes caiadas e pelo chao de marmore.Os relampagos que formaram o vidro da tua alma estilhacada e inexistente segundos apos segundos sao apenas flashes da minha memoria.

Por isso, podes parar de respirar e de ouvir, e de ver e sorrir, e de sentir e de chorar, porque a fruta, em forma de lagrima, ja se decompos em poeira ha muitos relampagos atras.

23-11-08

Tenho em mim apenas palavras e silencios: ambos gotejam como cristais que fervilham nas entranhas da terra. Outras vezes sao como punhais de estalactites.

Palavras e silencios, reflectidos num espelho de mudez e esquizofrenia, bailam intermitentes pelo ar cortante das noites em claro.

O frio que e um lencol que se estende sobre um corpo quieto, contrastando com a calidez da serenidade triste de um outro.
A cor e um licor derramado em pedra cinzenta e inerte.
A voz que vibra os fios da teia tocados pelo orvalho das horas abandonadas.
O sonho que alude a um espasmo animal de visceras ensurdecedor.

30-10-08 "Naif"

Nao sei porque e que o meu Amor foge, afasta-se e e indiferente ao que sinto, as minhas necessidades dele e a minha vontade de estar presente para o acompanhar.

Noutras alturas ele estava tao presente que ate era como se caminhasse constantemente ao meu lado, como se eu fosse um seu apendice. O meu respirar confundia-se com o dele. O bater do meu coracao no meu peito era a reverberacao do seu.
E todo o mundo a nossa volta desaparecia, tornava-se numa forma difusa de um enxame de abelhas confuso e disforme.

6.6.05

Lifeless: from my room I can see the world and from my window I can see myself crawling like an alley cat under a car, face and belly glued to the road. I have no life, only death is in my lifeless beat of pulse.
I wanted to draw my veins with blood and end the endless misery and the infinite pain. I'm still the same all along I've been the same nothing. My hands are now flying in the sky, they ran off from me.
Remember :Love is not Love", my Love.

Tuesday, December 02, 2008

Procuro trabalho em Comunicação

Estive um ano em Letras na Universidade de Lisboa, curso Inglês-Alemão; depois mudei.
Licenciei-me em Comunicação Social e Cultural na variante Digital Interactiva (especialização) na Univ. Católica Portuguesa. Desde Dezembro de 2006, estive um ano e meio na Direcção de Comunicação da CGD, onde fiz Internet, Intranet, Revistas (jornalismo, comunicação empresarial), eventos, comunicação interna, entre outros, e apenas por falta de contrato tive de sair e abraçar um novo desafio.
Actualmente, estou numa empresa de desenvolvimento de software, desde Julho 2008, mas como as minhas funções são de Assistente de Mkt. não estou a gostar, só da parte da Gestão de Conteúdos de Sites de vários clientes; apenas reforça ideia de que gosto mesmo é de Comunicação!
Tenho muitas ideias, sou extremamente exigente, organizada; gosto de Arte: Cinema, Fotografia, Literatura e acima de tudo escrever. Gostava de ficar a ver o Júlio Pomar a trabalhar no seu atelier, para aprender alguma coisa mais, e fazer instalações, arte intervencionista > poesia visual!

Única condição, de horário trab.: entrar às 10h30 a.m.

Contacto: SONIACAMPOS@NETC.PT

Friday, November 28, 2008

Post atrasado (e daí poderá cheirar mal): Chanel nº 5 vs. nº 11

Por ver que ainda existem anúncios ao Chanel nº 5 e é dos únicos perfumes que resiste nas perfumarias há mais de 80 anos, dei por mim a reflectir sobre este pequeno pormenor: o nº 5 cheira bastante mal e tem imensa boa fama e prestígio associados, e por exemplo o nº 11 que cheira muito melhor "ninguém conhece"...

Este perfume é uma das provas que, ao longo dos tempos, o ser humano tem "seguido o rebanho" e continuado a enganar-se a si mesmo. A ansiedade do status leva as pessoas a aspirar o que as ditas "elites", consumidoras de bens de luxo, possuem e publicitam da maioria das vezes apenas porque as grandes marcas oferecem-lhes esses bens por causa dessa mesma contrapartida da divulgação. Será que ninguém quer perceber este círculo luxo-vicioso?

Certamente houve alguém (do império Chanel ou amigo, excêntrico dos loucos anos 20) que fez tal publicidade do Chanel nº 5 que o foi colocando num pedestal, como bem inatingível e daí objecto de maior desejo das pessoas. A partir daí, tal como acontece com vários produtos que sob a desculpa de não serem para qualquer palato ou (neste caso) nariz, continuam a persistir com uma aura de "exquisite", mesmo que o Chanel nº 5 cheire mal; ninguém fique bem alimentado com os verdadeiros pratos gourmet e nouvelle cuisine ou mesmo que fiquem intoxicados com sushi e iguarias cruas cheias de bactérias fulminantes; as roupas da Lacoste sejam demasiado masculinas e demodé, toda a gente aspira tê-las porque são símbolo de luxo e status social.

Bolas, que isto é mesmo ridículo.

Thursday, May 29, 2008

O Ser Pisado

O ser humano é constantemente lixado...
Quando é mais novo é pisado pelas outras crianças, pelos pais, professores...
Depois, quando já temos idade para nos defendermos, somos pisados pelos patrões, colegas e "pelo sistema"...
Quando tem uma certa idade, diria-se suficiente para ter dignidade e estatuto, é pisado pela sogra, pela mulher e com azar pelos próprios filhos...
Quando morre, bem... aí é-se pisado a toda a hora, só pelo facto de se estar por baixo da terra...
LOL