Wednesday, December 10, 2008

05-12-08 "Atropelamento e fuga"

Soterro-me nos lençóis deprimidos, como se fosse uma vítima de atropelamento e fuga, envolta em ligaduras de textura pouco nobre e relegada para o cheiro morto de mim mesma.

Sou agora um homem inexistente, preso a um momento que dura apenas alguns segundos e, ainda, suspenso no acidente vidiário.
E isso mesmo, não é o acidente rodoviário, mas sim o da vida, que é diário. E nos deixa eternamente pisados, quebrantados, sovados, todos os dias, numa luta corporal intensa.

Estirado, tudo à volta é demasiado branco, asséptico, lembrando-me a imundície que sou e a luz parda das ruas por onde andei.

Deixo de escutar o som que, em compasso binário, parecia uma agulha a espicaçar o meu coração.
Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii___________________________________ 
Post a Comment